Ciclotimia
Luiz Roque professor, poeta e escritor
A poesia abaixo está publicada em seu livro “Mar Tormentoso”  

Meu cérebro é balança que não pára,
é uma gangorra móvel, to garanto.
Se angustiado, aguardo o lenitivo.
Se entusiasmado, é certo o desencanto.

E assim, esta senóide que carrego
faz da emoção joguete imprevisível.
Se hoje sorrio ao ver-te, não afianço
amanhã dar-te saudação sofrível.

O que agora me traz tranqüilidade,
pode, em pouco, ferir-me de aflição.
Um fato, uma palavra ou um olhar
rompe o equilíbrio do meu coração.

Tanto me enreda a vil ciclotimia,
que vou perdendo o senso do real:
não sei se estou pior quando vou bem,
não sei se vou melhor quando estou mal.

(outubro/92)

Voltar